As principais regras da fotoproteção

 In Rigorosos a cuidar

O verão chegou!  E chegou também o momento tão esperado de desfrutar de longos dias na praia ou na piscina. Nunca é demais relembrar as quatro regras básicas para poder desfrutar do sol de uma forma saudável.

Utilize fotoproteção tópica

O primeiro passo para se proteger do sol é, sem dúvida, o uso de um fotoprotetor tópico.

São substâncias com a capacidade de absorver, refletir ou dispersar a radiação, evitando que penetre na pele causando danos.

Devemos escolher o protetor solar que nos ofereça uma maior cobertura e que melhor se adapte ao nosso tipo de pele. Recomendam-se índices de proteção solar (SPF) altos, acima do fator 30.  O SPF mede unicamente a proteção face aos raios UVB, indicando o tempo que podemos estar expostos ao sol sem nos queimarmos. Por isso, é importante que ofereça também proteção contra os raios UVA, IV-A e luz visível, ou seja, um amplo espectro.

Complemente a sua fotoproteção tópica com a oral

Embora protejam a totalidade da pele sem estar sujeitos à forma de aplicação, nem à eliminação pela água ou transpiração, nunca devemos esquecer que a fotoproteção oral é  um complemento à fotoproteção tópica para contornar as suas limitações, e nunca um substituto.

O objetivo dos fotoprotetores orais é aumentar a capacidade antioxidante cutânea, para oferecer uma resposta mais eficaz aos danos de oxidação provocados por uma excessiva exposição ao sol, com um duplo efeito, preventivo e reparador.

Há uma nova geração de compostos, principalmente de substâncias naturais provenientes de plantas, que está a suscitar grande interesse entre os especialistas em fotoproteção, devido às suas propriedades benéficas quando administradas por via oral. A maioria tem em comum importantes propriedades antioxidantes e, em alguns casos, estimulam também os mecanismos de reparação da pele, tais como a síntese do colagénio e a reparação do ADN celular.

Alguns destes compostos orais com capacidade fotoprotetora incluem: vitaminas e ou derivados vitamínicos, compostos derivados de plantas como o chá verde ou o extrato de Polypodium leucotomos (Fernblock®)

Roupa e acessórios protetores

A roupa é um excelente protetor. A capacidade de proteção solar de uma peça de vestuário tem a designação de Fator de Proteção UV (UPF).

O UPF calcula-se medindo a transmissão das radiações UVA e UVB através de um tecido, com o auxílio de um espectrofotómetro.

Os fatores que afetam o UPF são: o tecido, a cor, a humidade e a distância do corpo.

Outros acessórios que nos protegem são:

Os chapéus, que nos oferecem proteção consoante o tecido, a densidade e a largura das abas.

Os óculos de sol que protegem os olhos. A sua eficácia depende do tamanho, da forma e dos materiais de absorção UV incorporados nas lentes.

E a última regra são importantes recomendações

Evitar a exposição ao sol entre as 12:00 e as 16:00 horas, altura em que a radiação UV é mais intensa e prejudicial.

Nunca esquecer que mesmo em dias nublados é sempre necessário o uso de fotoprotetor, já que a intensidade das radiações pode ser maior nos dias nublados e com mais humidade atmosférica. A presença de mais vapor de água na atmosfera aumenta a dispersão das radiações e consequentemente a nossa exposição.